Acabamento e polimento proximal em dentes anteriores: nova técnica

acabamento e polimento proximal

Acabamento e polimento proximal em dentes anteriores representa uma etapa fundamental para melhorar o aspecto estético e a longevidade das restaurações. A correta execução dessa etapa favorece a eliminação de excessos marginais, especialmente na região cervical. Possibilita ainda, a obtenção de uma superfície proximal lisa, contribuindo para uma menor pigmentação de margens, menor retenção de biofilme e ausência de inflamação gengival.

É importante durante essa etapa selecionar um conjunto de lixas e instrumentais e aplicar uma técnica que possibilite alcançar resultados sem romper o ponto de contato e sem lesionar de forma demasiada o tecido gengival. Neste post vamos apresentar soluções para o acabamento e polimento proximal em restaurações de resinas compostas em dentes anteriores.

Nova técnica

Sabemos que as restaurações que envolvem uma ou as duas faces proximais requerem um acabamento e polimento proximal compatível com o tipo de material utilizado. Como exemplos dessas restaurações temos:

restaurações do tipo classe III e IV;

– amplas restaurações cervicais;

restaurações para fechamentos de diastemas ou de black spaces;

facetas diretas.

Apesar de simples, alcançar uma superfície extremamente polida e sem excessos representa uma dificuldade para a Odontologia, pois este tema não é amplamente discutido, sendo comum observarmos restaurações com excessos e manchamentos marginais e ausência de ponto de contato. Na sequência vamos apresentar uma técnica dividida em quatro passos que desenvolvemos para facilitar o acabamento e polimento proximal:

1. Remoção de excessos próximos da gengiva;

2. Acabamento na região de ponto de contato;

3. Acabamento na região de ameias incisais;

4. Polimento proximal.

Remoção de excessos próximos da gengiva

Inicialmente devemos utilizar uma micro serra manual ou em arco (Microcut, TDV), que não rompe o ponto de contato, para facilitar a passagem das demais lixas.

Na sequência utilizamos lixas metálicas diamantadas com o centro neutro de menor altura para a remoção de excessos grosseiros próximos da gengiva ou na região de subcontato proximal. Como opções de lixas temos:

– Flexidiamond (Cosmedent): utilizamos a de granulação média (30 micra – tarja azul), com altura de 2,5 mm, para a remoção de excessos grosseiros;

acabamento e polimento proximal

– Tiras diamantadas (Edenta): podemos utilizar a de granulação média (30 micra- tarja vermelha), com altura de 2,5 mm, para a remoção de excessos grosseiros.

Podemos utilizar ainda lixas similares de outras marcas comerciais como NTI, Komet ou GC seguindo a mesma orientação descrita acima.

Dicas clínicas

Estas lixas devem passar pelo ponto de contato utilizando a parte neutra e remover os excessos que estão na área de subcontato proximal. Elas trabalharão na intimidade da gengiva marginal, o que pode causar um pequeno sangramento, machucando o paciente. Dessa forma, devemos fazer movimentos curtos e firmes, com bastante apoio, para reduzir as possibilidades de injúrias aos tecidos gengivais. Além disso, uma boa estratégia é utilizá-las quando os dentes ainda estão sob isolamento absoluto, pois o lençol de borracha protege e afasta um pouco a papila e, também os lábios.

Quando utilizamos isolamento relativo recomendamos o uso do Optragate (Ivoclar Vivadent) para a proteção e o afastamento dos lábios. Outra dica interessante é utilizar lixas novas para remover de forma mais eficaz os excessos. Lixas mais velhas vão requerer mais movimentos e em algumas situações serão ineficazes por terem perdido a sua capacidade abrasiva. Vale ressaltar que esta é uma etapa necessária e desconfortável para o paciente, sendo às vezes conveniente anestesiá-lo.

Podemos remover ainda os excessos proximais com lâminas de bisturi número 12 , pontas diamantadas finas da série F (vermelha) ou FF (amarela) e/ou brocas multilaminadas delgadas em forma de ponta de lápis.

remoção de excessos
remoção de excessos

Acabamento na região de ponto de contato

Uma sugestão interessante é o uso da lixa Epitex (GC) que remove pequenos excessos, sem romper o ponto de contato, permitindo uma superfície lisa para a restauração. Ela está disponível em quatro granulações, identificadas por cores: a azul é a mais grossa, seguida da verde, da cinza e, por último, da salmão (mais fina). Por ser extremamente delicada é frequente o seu rompimento caso o contato proximal esteja muito apertado. Sendo assim, vamos passar uma estratégia para otimizar o trabalho com estas lixas.

acabamento

Estratégia para a utilização de lixas Epitex

Podemos passar a lixa Epitex pelo ponto de contato usando um fio dental. Inicialmente posicionamos o fio no ponto de contato e levamos a lixa até tocar no fio. A partir daqui seguramos a lixa e o fio dental e avançamos até a cervical conforme a imagem abaixo. Na sequência tiramos o fio dental e lixamos a superfície proximal com a Epitex.

acabamento

Geralmente o uso das lixas Epitex menos abrasivas (cinza e salmão) facilita essa manobra por serem mais finas. É importante entender que estas lixas perdem rapidamente o abrasivo durante o movimento, mas desempenham de forma satisfatória a sua função.
Se precisarmos passar pela segunda vez a lixa Epitex, ou mesmo, lixar a superfície proximal restaurada do dente vizinho, ela passará mais facilmente pelo ponto de contato, dispensando o uso do fio dental.

Acabamento na região de ameias incisais

O acabamento na região de ameias incisais é normalmente realizado com discos de lixa de média e/ou alta abrasividade. Esta é uma fase delicada, especialmente quando trabalhamos os ângulos mésioincisais dos incisivos centrais superiores, pois o arredondamento desses ângulos com aumento exagerado dessa ameia resulta em uma anatomia inadequada. Sendo assim, para o acabamento dessa região nestes dentes sugerimos a utilização de discos de lixa de granulação intermediária. Em algumas marcas comerciais encontramos discos de lixa de diâmetros variados. O Sof-Lex (3M), por exemplo, está disponível nos diâmetros 1/2 (maior) e 3/8 (menor).

As imagens abaixo apresentam discos de lixa Sof-Lex (3M) com as granulações recomendadas, grossa (vermelho) e média (laranja), e com os diâmetros disponíveis.

Alguns discos de lixa apresentam um orifício no centro, como os da Sof-Lex (3M), Optidisc (Kerr) e Praxis (TDV), que permite o seu encaixe no mandril em duas posições: com a parte abrasiva voltada para o mandril ou de forma contrária. Esta versatilidade favorece um melhor acabamento e polimento.

acabamento

Polimento proximal

Após o uso da Epitex polimos a superfície proximal com um fio dental embebido em pasta diamantada ou de óxido de alumínio. Este fio dental pode ser um Superfloss (Oral B), um Orthodontic Floss (GUM) ou simplesmente podemos dobrar qualquer fio dental em dois e realizar movimentos de vai e vem na proximal, desde a incisal até a cervical.

polimento proximal

Considerações finais

Atualmente não utilizamos com tanta frequência lixas de poliéster abrasivas (3M, KG ou TDV), pois não são capazes de remover excessos grosseiros e, se utilizadas de forma inadequada, podem romper o ponto de contato. Caso queiram utilizá-las, sugerimos cortá-las em duas no sentido do longo eixo, reduzindo a sua “altura”, para evitar trabalhar na região de contato proximal. Ainda como recomendação elas devem ser utilizadas com movimentos em S para não romperem o ponto de contato.

O acabamento e polimento proximal representa uma das etapas mais importantes para a qualidade e longevidade em restaurações de resinas compostas em dentes anteriores.
Devemos considerar que muitas vezes durante esta fase o dentista e o paciente encontram-se cansados, especialmente quando restauramos vários elementos. Dessa forma, é importante também priorizar essa etapa e, caso necessário, revisá-la em uma outra sessão.

Escrito por Leonardo Muniz

16 de junho de 2020

Newsletter

Assine nosso boletim informativo e nunca mais perca um dos nossos posts

1 Step 1
keyboard_arrow_leftPrevious
Nextkeyboard_arrow_right
FormCraft - WordPress form builder
E

Artigos recentes

acabamento e polimento proximal

Acabamento e polimento proximal em dentes anteriores: nova técnica

Acabamento e polimento proximal em dentes anteriores representa uma etapa fundamental para melhorar o aspecto estético e a longevidade das restaurações.

dentes escuros

Dentes escuros e o tratamento endodôntico: cuidados e resultados clínicos

Dentes escuros representam um grande problema para a autoestima dos pacientes, podendo causar uma insegurança ao falar ou sorrir. O desconforto pode ser…

restaurações classe III

Restaurações classe III com resinas compostas no dia a dia de consultório

Restaurações classe III estão relacionadas ao tratamento de lesões cariosas que se iniciam na região proximal de dentes anteriores, geralmente na área de…

E

Acervo

Você pode gostar

2 Comentários

  1. Luciano Ribeiro Corrêa Netto

    Parabéns pelo material didático, prof. Leonardo Muniz!

    Responder
    • Leonardo Muniz Odonto

      Obrigado pelo elogio, Luciano!
      Abraço

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acesso Membros

Acesse como membro

Faça login como um membro registrado em nosso site para ter acesso a nossas transmissões ao vivo, além de nosso acervo de aulas e cursos gravados. Ainda não é um membro? Registre-se gratuitamente! Aproveite enquanto estamos disponibilizando esta associação gratuita, é por tempo limitado!

Login/Registro 

Registre-se gratuitamente!
Já se registrou? Faça login

Pin It on Pinterest

Share This